Tratamento - Câncer de Próstata

Câncer de Próstata

cancer-de-prostataO Câncer de próstata é a neoplasia mais frequente do homem e atinge aproximadamente 15% da população masculina. Atualmente no Brasil vivem 12 milhões de homens, sendo que destes dois milhões serão acometidos pelo câncer da próstata. Essa estatística alarmante se contrapõe a outra mais alentadora: apenas 1 em cada 18 pacientes morrerá pela doença. A sobrevida se deve a tumores indolentes (pouco agressivos) e às ações terapêuticas dos médicos.

O câncer de próstata é raro antes dos 45-50 anos, entretanto o seu surgimento aumenta com o aumento da idade. Duas condições aumentam o risco de contrair o câncer de próstata: a etnia e a predisposição genética. Em homens orientais a frequência é 70% menor que a média. Já os negros tem o dobro da incidência, e nesses, costuma ser mais agressivo. A incidência do câncer aumenta de 2-5 vezes quando pai ou irmão são portadores do mal, sendo que nestes casos o tumor pode se manifestar em idades mais precoces. Por isso, homens com histórico familiar devem realizar exames preventivos a partir dos 40 anos, e não após os 45, como preconizado para população masculina em geral.

Diagnóstico

No inicio, o câncer de próstata não gera sintomas, eles só surgem quando a doença já está avançada, por este motivo é muito importante realizar os exames de check-up anualmente, para diagnosticar a doença, quando ela existir, ainda em fases iniciais e com alta probabilidade de cura.

Para buscar o diagnóstico os urologistas recorrem ao toque da próstata e a dosagem sanguínea do PSA (sigla em inglês para antígeno prostático específico). Esses dois exames devem ser feitos conjuntamente, já que isolados, falham, respectivamente em 50% e 25% dos casos atingidos pela doença. Realizando os dois testes, apenas 7-8% dos cânceres deixam de ser identificados.
O toque da próstata ainda continua sendo um tabu para muitos homens. A verdade é que o toque é feito em 5-10 segundos, de forma indolor, e o desconforto psicológico de alguns segundos é infinitamente melhor do que o câncer descoberto tardiamente.

Quando o Urologista percebe que existe uma alteração suspeita de câncer de próstata no PSA ou no toque prostático, ele irá recomendar uma biópsia da próstata que irá confirmar ou afastar o diagnóstico suspeito.

Tratamento

O tratamento adequado para o câncer de próstata é individualizado. Quando ele atinge indivíduos com poucos anos de vida e tumores indolentes nem precisam ser tratados. Homens com mais de 10 anos de expectativa de vida ou com doença agressiva o tratamento é definido em função da extensão da doença.

Pacientes com doença restrita a próstata são tratados por cirurgia ou radioterapia. Já tumores que se estendem para outros órgãos são controlados com medicações hormonais.

O tratamento cirúrgico (prostatectomia radical) consiste na remoção completa da próstata, das vesículas seminais e dos gânglios linfáticos da região pélvica. Essa cirurgia pode ser realizada por via retropúbica aberta (incisão abdominal), pela via laparoscópica (pequenas incisões abdominais) e por via perineal (incisão na região do períneo).

A Prostatectomia Radical Laparoscópica tem como vantagem uma menor morbidade cirúrgica, uma recuperação precoce e um menor sangramento intraoperatório. A Preservação da potência sexual tem melhores índices quando realizado pela técnica laparoscópica, devido a visão magnificada e a excelente iluminação do campo operatório, conferidas por câmeras e óticas de última geração, permitindo identificar e isolar com precisão estruturas anatômicas, como os feixes neurovasculares responsáveis pela ereção peniana e potência sexual.

Uma vez identificado o câncer de próstata o urologista irá indicar o tratamento mais adequado para cada paciente. Caso tenha alguma dúvida não esclarecida nesse texto, procure um dos Urologistas da ANDROS para maiores esclarecimentos.